• Saindo do Quadrado: Skol Continua Quebrando Esteriótipos de Comerciais de Cerveja


    SKOL lança filme com personagens reais para questionar estereótipos
    bicicleta A cerveja Skol realmente não só está levando a sério a desconstrução simbólica dos estereótipos dos comerciais de cerveja, mas está expandindo esse novo universo e jeito de se vender cerveja.

    Depois de ter chamado artistas plásticas para ressignificar os antigos anúncios da marca, que como tantas outras, usavam mulheres seminuas como apelo visual e fálico para atingir o suposto único público alvo, os homens, agora a marca propôs uma ação para questionar alguns estereótipos da sociedade.


    Não parece comercial de Cerveja, mas é

    Sem roteiro definido e sem saber que estavam participando de uma campanha de cerveja, pessoas com os mais diversos perfis foram selecionadas para participar da experiência social promovida pela marca.

    Três grupos de cinco pessoas foram desafiados a descrever como eram os donos de objetos deixados em uma sala.

    A exemplo, se você visse um novelo de lã e uma agulha de tricô, seria provavel afirmar que pertencia a uma velha senhora, como uma daquelas vovôs que sempre vimos sendo representada em programas de tv ou cinema.


    Para surpresa, O dono das agulhas é Thiago Rezende, 35 anos, artista plástico.



    Além do Thiago, foram escolhidos outros dois personagens reais para desmistificarem padrões. O iluminador cênico, Renato Lopes, de 32 anos, que nas horas livres é dançarino de Lindy Hop, um estilo de dança do século 20 e o químico, Luiz Giácomo, de 74 anos, campeão mundial de Patinação de Velocidade.

    O conceito é quebrar conceitos

    A proposta do filme é mostrar como todos ainda tiram conclusões precipitadas ao se deparar com elementos que supostamente definem um estereótipo. E como nos surpreendermos ao perceber que ainda vivemos dentro do clichê de que quem vê objeto, ou rosto, não vê nem alma e nem coração.



    “Temos convidado pessoas, de diferentes formas, a quebrarem padrões e experimentarem a viver uma vida com mais respeito e sem estereótipos. Mas, como sempre, queríamos ir além e mostrar como tiramos conclusões rápidas à primeira vista. Acreditamos que abrir cada vez mais frentes de diálogo é a melhor forma de mudarmos essa forma antiga de ver o mundo e passar a enxerga-lo de verdade. E essa é uma transformação que estamos incentivando de dentro para fora em SKOL”, comenta Maria Fernanda de Albuquerque, diretora de marketing de SKOL.

    A série, criada pela F/Nazca Saatchi & Saatchi junto com a produtora Prodigo Films e dirigida por Daniel Klajmic, faz parte da campanha Redondo é sair do seu Quadrado, que desde o início do ano tem provocado o público a abrir o olhar para novas perspectivas, sempre tendo o respeito como principal bandeira.


    “Sair do quadrado para SKOL, é mostrar que não existe idade, padrão, maneira ou hábito certo para ser quem você é e curtir isso da melhor forma possível.  Não dá para colocar ninguém em um quadrado. Se deixe surpreender também", completa Maria Fernanda.

    Dose de opinião

    Se você é daqueles que pensa em criticar esse posicionamento da Skol e de tantas outras marcas, argumentando que querem mudar o jeito de vender cerveja. Que propaganda de cerveja Boa, para ser a número 1, tem que ter verão, mulher gostosa, de biquine, sensual e que para bom entendedor, uma virilha de mulher basta, saiba que, no passado, o uso desses tipos de apelos para venda de cerveja nunca tiveram uma justificativa plausível.

    Quem fazia assim, apenas se valia de que o Brasil sempre foi um pais tropical, abençoado por Deus e com mulheres bonitas por natureza.

    Talvez isso sirva como boa música para os ouvidos, mas o fato é que esse tipo de estratégia foi muito mais no sentido de criar hábito baseado na opinião particular de um dono de agência.

    Se esta nova maneira de vender cerveja vai pegar, no sentido de vender mais, precisaria fazer uma análise mais profunda. Fato é que esta é uma tendência da publicidade, de rever seus conceitos e estereótipos que ela mesmo criou e cria.

    O melhor mesmo, é deixarmos de ser tão quadrados.

    Que tal também questionar: cerveja só se toma na mesa do bar?

    Com informações da assessoria de imprensa

    Ficha técnica:


    AGÊNCIA: F/Nazca Saatchi & Saatchi
    CLIENTE: Ambev
    PRODUTO: Skol
    TÍTULO: Quem é essa pessoa
    DIREÇÃO GERAL DE CRIAÇÃO: Fabio Fernandes
    DIREÇÃO DE CRIAÇÃO:  Theo Rocha | Toni Fernandes | Leonardo Claret
    CRIAÇÃO: Charles Faria | Andre Fukumoto | Theo Rocha | Leonardo Claret
    ATENDIMENTO: Ricardo Forli | Thiago Iusim | Marcela Paiva | Julia Marquezi | Tathiana Sacco
    MÍDIA: Mauricio Almeida | Thiago Custódio | Amaury Magalhães | Eric Zanelli | Juliana Roque | Gustavo Masson
    PLANEJAMENTO: Danilo Lima | Quentin Mahe | Murilo Toda
    DIREÇÃO DE PRODUÇÃO INTEGRADA: Juliana Hasegawa
    RTVC: Giuliano Enrico Springhetti
    PRODUTORA DE FILME: Prodigo Films
    DIREÇÃO: Daniel Klajmic
    PRODUTOR EXECUTIVO: Francesco Civita
    COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO: Gregory Bogossian | Nathalie Gautier
    EQUIPE DE COORDENAÇÃO: Karla Fernandes | Fabiana Baptista | Nathalia Trindade | Tatiana Sato | Lucas Pereira
    ATENDIMENTO PRODUTORA: Chico Pedreira | Vivian Sader
    ASSISTENTE DE ATENDIMENTO: Jay Leonel
    ASSISTENTE DE DIREÇÃO: Flavia Meszberg
    DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA: Daniel Klajmic
    DIRETOR DE ARTE:  Andres Zarza
    COORDENAÇÃO DE PÓS-PRODUÇÃO: Tutu Mesquita
    ASSISTENTE DE PÓS: Bel Wallis | Everson Martins
    MONTAGEM: André Dias | AMC
    PÓS-PRODUÇÃO: Prodigo Films
    FINALIZADOR: Georges Sakamoto
    FINALIZAÇÃO: Prodigo Films
    PRODUTORA DE SOM: Loud
    TRILHA: Equipe Loud
    DIREÇÃO MUSICAL: Equipe Loud 
    ATENDIMENTO: Ludmila Stempniewski
    APROVAÇÃO CLIENTE: Paula Lindenberg | Maria Fernanda Albuquerque| Daniel Feitoza | Kim Moraes
  • 0 comentários:

    Postar um comentário